Whole30 LowCarb Fevereiro 2018

Photo by NeONBRAND on Unsplash

Oi amiguinhos,

Estou me preparando para dar a largada ao primeiro whole30 de 2018 e vou compartilhar a jornada aqui no blog. Decidi fazer isso porque até hoje recebo comentários queridos de gente que encontra o blog por causa da minha primeira rodada do Whole30 em 2015, e se inspira para o Whole30 no Brasil. Vou começar na segunda-feira dia 29 de janeiro, provavelmente com um omelete de espinafre haha. Dessa vez a necessidade de fazer um whole30 não é muito diferente das outras vezes, mas vem de uma pressão pela saúde muito maior.

[Alerta de textão, pode pular essa parte e ir direto pras logística do whole30] Uns meses atrás eu comentei que fui diagnosticada com Tireoidite de Hashimoto’s, né? E que eu estou tentando reverter naturalmente sem remédios sintéticos, né? Pois é. Um dos vilões da Tireoidite de Hashimotos é o glúten. Então, naturalmente, a primeira coisa que qualquer pessoa que consegue entender as coisas logicamente faria, seria parar de consumir glúten, né? Mais fácil ainda pra mim, que desde 2013, quando comecei a ser lowcarb, reduzi drasticamente o consumo de glúten. Ele era apenas parte das minhas escorregadas. Ele não fazia parte da minha vida. Mas daí, vai entender, quando eu descobri que não poderia nunca mais comer glúten porque ele faz mal para a minha saúde (não só para o meu emagrecimento), eu fiz o quê? E fui de férias pro Brasil e eu comi glúten todos os dias por mais de 3 semanas. Eu bebi cerveja, eu nem gosto mais de cerveja, mas eu bebi cerveja! Também consumi açúcar em todos os formatos.  Isso não foi uma decisão inteligente. Não sei explicar. Eu não tenho dificuldades de aprender as coisas. Acho que sou até bem inteligente. Mas daí foi como se ligar o botão de #$%-se fosse me salvar da Hashimoto’s. Não salva, gente. Não salva mesmo. O que aconteceu foi justamente o contrário. Eu fiquei inchada, eu fiquei meio pra baixo, eu fiquei cansada, eu fiquei com dores musculares, eu não consegui mais subir a escada da estação correndo (de subir caminhando eu já fiquei ofegante), eu vi um peso na balança que eu não via desde antes do meu primeiro whole30. Deprimente, sério. Não bastassem todos os sintomas chatos da Hashimoto’s, agora minhas roupas também estão apertadas.

Eu já sei que quando se tem Hashimoto’s o emagrecimento é bem mais lento, isso se há emagrecimento at all. Mas eu sou uma otimista e tenho um plano pra controlar a compulsão e me colocar nos trilhos em 2018. Parece que eu só consigo progredir se eu vou no 8 ou 80, então vou nos 20g de carb por dia com comida de verdade, que é o que mais funcionou pra mim nos últimos cinco anos.

Como eu vou fazer o whole30 lowcarb?

  • A gente sabe que whole30 não é necessariamente lowcarb, mas o meu será o mais lowcarb possível, batata-doce vai ter que ser limitada hehe
  • 3 refeições de comida de verdade por dia, a dificuldade vai ser o café da manhã que eu adoro escapar, adoro um JI, mas vamos lá
  • Diário de alimentação, gratidões e conquistas, porque isso me faz muito bem

O que eu quero estar contando aqui após o whole30 de Fevereiro?

  • Que terei diminuído o nível de anticorpos atacando minha tireóide
  • Verei um aumento nos meus níveis de energia
  • Terei eliminado pelo menos metade do peso adquirido nas férias (-3Kg)
  • Se não for pedir muito, terei deletado a dor embaixo do meu calcanhar esquerdo que já me incomoda há uns 8 meses.

Alguém mais começando whole30? É muito mais divertido fazer com coleguinhas ^_^